Resenha: Anjo Mecânico - Cassandra Clare

Will, seu lindo!
Sinopse:Anjo mecânico apresenta o mundo que deu origem à série Os Instrumentos Mortais, sucesso de Cassandra Claire. Nesse primeiro volume, que se passa na Londres vitoriana, a protagonista Tessa Gray conhece o mundo dos Caçadores de Sombras quando precisa se mudar de Nova York para a Inglaterra depois da morte da tia. Quando chega para encontrar o irmão Nathaniel, seu único parente vivo, ela descobrirá que é dona de um poder que capaz de despertar uma guerra mortal entre os Nephilim e as máquinas do Magistrado, o novo comandante das forças do submundo.
 Anjo mecânico foi tudo que eu esperava e muito mais. Quero deixar claro que, como uma fã dos livros da Cassandra Clare, eu tinha certeza, antes mesmo de ler, que gostaria do livro. Na verdade, estou quase a ponto de dizer que me conquistou mais do que  a série inicial – Os instrumentos mortais.
O livro inicia com a chegada de Tessa Gray à Londres. Logo no início ela conhece as Irmãs Sombrias, que alegam estar ali para leva-la até o irmão Nathaniel. Claramente enganada, Tessa é aprisionada e forçada pelas Irmãs Sombrias a aprender a usar seu dom especial. Mas essa tortura acaba quando um Caçador das Sombras – William Herondale - a resgata de lá. Levada para o Instituto de Londres, Tessa é bem tratada mas ela não se deixa levar pelas palavras de ninguém. Depois do longo tempo aprisionada e sujeita às maldades das Irmãs Sombrias, Tessa só consegue pensar que todos estão interessados em seu poder. Logo vê-se apaixonada por alguém que – aparentemente – não a merece. Assim como também percebe, tarde demais para voltar atrás, que está cercada de mistérios e conflitos do Submundo.
Como podem perceber pela minha sinopse – indigna – acima, Anjo mecânico é cheio de mistérios e seres sobrenaturais, assim como a série Os instrumentos mortais. A única diferença é a época e o contexto da mesma. Londres vitoriana é um cenário incrível e, mesmo adorando o cenário de Nova York, acho que prefiro o contexto da adorável Londres. Tudo aquilo que vemos em filmes está tudo perfeitamente descrito no livro. As roupas, ruas, casas, festas, costumes.. tudo isso ajuda a levar o leitor para esse cenário incrível. Aliás, isso é típico dos livros da Cassandra. Ela tem esse dom de fazer o leitor viajar para junto dos personagens.
Nem preciso comentar que os personagens são todos perfeitos né? Protagonistas, personagens secundários, vilão.. todos se encaixam perfeitamente em seus papéis e tem características únicas que te fazem adorar ou odiar logo de cara. Temos a Tessa, que é uma personagem um pouco ingênua – afinal ela é uma dama – mas que se mostra forte e decidida a fazer de tudo por aqueles que ama. Também temos o William Herondale que é aquele personagem que te arranca suspiros desde a primeira página. E agora deve ser aquele momento esperado em que vocês devem estar se perguntando “É verdade que o Will é tipo o Jace?”. Então, certamente o Will te lembrará do Jace – de Os Instrumentos Mortais – mas será somente devido às suas frases irônicas e ao seu jeito, aparentemente, de quem não está nem aí com nada. Mas a semelhança para por aí. Jace é um personagem brilhante, que passa vivacidade para o leitor; enquanto Will se mostra reservado, fechado para qualquer tipo de sentimento, frio. Claro, ele tem um motivo, que só é revelado em Clockwork Prince. Mas, apesar de tudo isso, Will é apaixonante.
Outro personagem importante na trama é Jem, um Caçador de Sombras amigo de Will. Jem tem um segredo que demora a ser revelado para Tessa, mas isso acaba os aproximando ainda mais. Jem é aquele personagem cativante, gentil, em outras palavras, ele é um amor. E, embora já fosse de se esperar um triângulo amoroso, não é totalmente desenvolvido em Anjo Mecânico. No final da leitura dá para sentir que está por formar-se o triângulo mas creio eu que será mais desenvolvido em Clockwork Prince.
Tem vários outros personagens importantes na trama mas não dá para citar todos. Uma que me chamou a atenção foi Jessamine, que é tão diferente de Isabelle Lightwood mas ao mesmo tempo me lembra tanto dela. E outro fato interessante é ver a mistura de vários personagens já conhecidos como por exemplo:  Magnus Bane, Camille e a família Lightwood – embora não apareça os Lightwood que conhecemos mas sim o seus antepassados. Tudo isto enriqueceu a trama. Mas, obviamente, não foi tudo o que eu comentei até o momento as únicas coisas que fizeram este livro excepcional.
Novamente venho aqui, testemunhar a perfeição da escrita desta mulher. Sério, como a Cassandra consegue fazer tudo ficar tão incrível mesmo quando a trama está tomando um rumo tão triste? Acontecimentos felizes ou não, a Cassandra escreve tudo com uma profundidade que atinge o leitor bem no seu íntimo. E acho que foi por isso que gostei tanto desse livro. É bem mais sofrido que Os Instrumentos Mortais e todos os sentimentos são muito mais profundos também.
Jem :)
Enfim, mesmo trazendo o mesmo mundo de Os Instrumentos Mortais, este é um livro diferenciado. Adorei conhecer novos cenários, novos personagens e adorei a narrativa marcante da Cassandra Clare. Acho que ainda não arrisco dizer que esse livro me conquistou mais que TMI mas pelo que li e pelas minhas expectativas para o segundo livro, provavelmente acabará acontecendo. De qualquer forma, leiam! Leiam as duas séries pois ambas são maravilhosas. Além de que, para aqueles que gostam de sofrer com os conflitos amorosos dos personagens, esse livro é perfeito. Aliás, a Cassandra é fantástica em cravar facas nos corações dos pobres leitores. E mesmo assim, esses leitores nunca se cansam, pelo contrário, são sedentos por mais. Que venha Clockwork Prince.

Quero agradecer a Editora Galera Record por ceder o exemplar para leitura. O trabalho ficou incrível com todo aquele brilho típico da série Os Instrumentos Mortais e adorei que tenham deixado no mesmo estilo. Realmente, ficou impecável.

Nota infinita! 
  

Fique Ligado #8

Olá, seus lindos! Quero pedir milhares de desculpas por não dar mais as caras aqui mas a faculdade está consumindo todo o meu tempo. Provas e mais provas, sendo que alguma são totalmente ferradas. Sei que tem gente que consegue lidar com tudo isso e ainda postar mas para mim é complicado então não prometo muitas postagens este semestre. Mas sempre que der, passo aqui pra deixar algum post como esse, ou mesmo uma resenha sobre um livro que eu consegui arranjar tempo pra ler. De qualquer jeito, contarei sempre com vocês aqui, ok? Então, sem mais demorar, vamos ver algumas novidades - e outras que n]ao são tão novas assim :)



Diários do vampiro - Meia-Noite - L. J. Smith
Elena conseguiu resgatar Stefan da terrível prisão em que ele se encontrava, mas de volta à Fell’s Church, ele está tão enfraquecido que mesmo o poderoso sangue da amada parece incapaz de devolver suas forças. Já Damon é alvo de uma magia muito poderosa, que o transforma em humano. Disposto a tudo para recuperar seu antigo poder, ele não hesita em enganar os amigos para conseguir o que quer, e nada vai impedi-lo de voltar à Dimensão das Trevas. Enquanto isso, o plano dos demônios kitsune enfim chega ao seu ápice e parece impossível conter o avanço da Última Meia-Noite.

Meu Deus.... não sabem o quanto esperei por este livro. Depois de Almas sombrias e aquela lindeza do Damon, OMG, necessito deste urgentemente!!!


Círculo Secreto - A Prisioneira - L. J. Smith
Cassie é chantageada por Faye para roubar o poderoso Cristal Skull, e, por acidente, as duas liberam uma força maligna, que Cassie acredita ser responsável por vários assassinatos que imitam os torturosos atos dos julgamentos das bruxas de Salem. Enquanto isso, o Círculo chega à um ponto crucial na história, no qual deve ser escolhida uma nova líder, e, com Faye ameaçando revelar os segredos mais profundos de Cassie, pode significar desastre para todos os envolvidos.


 



E ai, o que acharam? Ansiosos por algum? Me contem pelos comentários. Aliás, posso ter deixado de atualizar o blog um pouco mas ainda estou lendo e publicando os comentários de vocês :)