Resenha: Um lugar para ficar - Deb Caletti


Sinopse: O relacionamento de Clara com Christian é intenso desde o começo e diferente de tudo o que ela já havia experimentado. No entanto, o que começa como um grande afeto rapidamente se transforma em obsessão, e já é muito tarde quando Clara percebe que as coisas foram longe demais e que Christian está disposto a fazer de tudo para ficar ao seu lado. Então, Clara parte da cidade e Christian fica para trás. Ninguém sabe onde ela está, mas, mesmo assim, Clara ainda luta para se livrar do medo. Ela sabe que Christian não vai permitir que ela suma tão facilmente. Não importa para onde ela vá, nunca será longe o bastante...

Este é um dos livros mais repletos de sentimentos que eu já li e toda essa transmissão dos sentimentos dos personagens é essencial para atingir o leitor. Então, é claro que dei a nota máxima (cinco) apesar de não coloca-lo na lista de favoritos.
Em Um lugar para ficar, a protagonista Clara narra sua vida, alternando os capítulos entre o presente e o passado. No presente, ela vai narrando sua vida em uma cidadezinha do litoral, sua ida para lá, seus temores e tudo mais. No início, ela menciona seus temores e medos mas apenas superficialmente pois esses medos são melhores desenvolvidos nos capítulos que narram o passado de Clara. E tudo começa com o início da relação dela com Christian. Ela mostra o desenvolvimento deste relacionamento, sempre chamando a atenção do leitor a pequenos detalhes da caracterização de Christian, tais como sua possessividade e mudanças de humor constantes. Sendo assim, Clara narra sua vida presente e passada até o momento em que as duas se coincidem com o momento que está vivendo agora. E com isto, ela entende, claramente, que nem tudo está acabado.
Nunca tive nenhuma experiência em ler algo da Deb Caletti e esta primeira experiência foi fantástica. A leitura flui muito bem e é quase impossível parar, pois você fica curioso para saber o que aconteceu para Clara ter que fugir de sua cidade. Portanto, é um livro com conteúdo e com narrativa espetaculares.
O contexto da estória é basicamente sobre relacionamento abusivo. E, apesar de a personagem as vezes ser muito bobinha, o leitor acaba se conectando com ela facilmente. Acho que parte disto é devido a incrível sensação que ela nos passa. Aliás, o livro todo é cheio de sentimentos. Desde o seu bem-estar quando está com Finn até as sensações de que ela está sendo perseguida ou que alguém está espionando-a. São estas sensações que fazem do livro algo mais real e que acabaram me fazendo gostar muito da personagem.
O final é espetacular! Com o desenvolvimento da trama você acaba descobrindo segredos do pai e da mãe de Clara. Então, sim, o final foi de arrepiar e incrivelmente bom. Não tão imprevisível mas que mesmo assim deixa o leitor de cabelos em pé e cria todo aquele clima de suspense.
Então, se vocês ainda não leram, aproveitem para ler. O livro é incrível e se você está procurando por um livro com um mix de sentimentos e sensações, este é ideal. Agora, é claro, fiquei ainda mais ansiosa para conferir os outros trabalhos da autora.


Publicado pela Novo Conceito || 272 páginas || Adicione à sua estante do Skoob || Compre

Resenha: Meia-noite (DV) - L. J. Smith


Esta resenha pode conter spoilers para você que ainda não leu nenhum livro da série O Retorno. Mas ainda assim, não deixe de comentar suas expectativas/pensamentos sobre esta série! :)

Sinopse: Elena conseguiu resgatar Stefan da terrível prisão em que ele se encontrava, mas de volta à Fell’s Church, ele está tão enfraquecido que mesmo o poderoso sangue da amada parece incapaz de devolver suas forças. Já Damon é alvo de uma magia muito poderosa, que o transforma em humano. Disposto a tudo para recuperar seu antigo poder, ele não hesita em enganar os amigos para conseguir o que quer, e nada vai impedi-lo de voltar à Dimensão das Trevas. Enquanto isso, o plano dos demônios kitsune enfim chega ao seu ápice e parece impossível conter o avanço da Última Meia-Noite.
Primeiramente, tenho que dizer que apesar de ter demorado séculos para ler o livro, foi um bom desfecho. Bom, não ótimo. Acredito que poderia ter sido melhor mas é claro que a L. J. Smith é uma daquelas autoras que querem despedaçar seu coraçãozinho frágil em milhares de pedaços para depois pisotear em cima do que restou. Pois é, é exatamente assim que me sinto após a leitura de Diários do vampiro – Meia-noite.
Sem dúvidas, para mim, Almas Sombrias foi o melhor livro que já li desta série de vampiros. Foi um livro não tão leve mas com algumas distrações bem pertinentes na trama. O leitor vê o desenvolvimento do relacionamento do Damon e da Elena – e as Delena vão a loucura \o/ - para depois a Elena voltar ao mundo real onde sua cidade está um caos e seu namorado vampiro, Stefan, foi recém libertado de uma prisão. Mas ainda havia muitas coisas a serem descobertas sobre vários personagens, e isto retorna em Meia-noite.
O início da leitura não foi o meu problema. O problema foi mais ou menos na metade do livro. Era muita coisa acontecendo em tão pouco tempo, pouquíssimo Damon na trama, e aquela melação toda do Stefan com a Elena.. Foi muito difícil da leitura fluir. Mas quando finalmente engajou, não consegui parar de ler. Acredito que os livros da L. J. Smith sempre tem muita ação e muita coisa acontecendo paralelamente, então acho que é uma leitura um pouco cansativa. Também fico pensando que tem coisas que seriam desnecessárias para o livro. A Lisa também sempre adora colocar em seus livros muitas figuras de linguagens, metáforas e passagens que são difíceis de decifrar, então este é outro motivo para a leitura não ser tão rápida e fluida. Sempre é preciso prestar atenção aos detalhes porque são eles que fazem toda a diferença no final.
Não pretendo soltar spoilers, aliás, praticamente não comentei nada do enredo deste livro porque é tudo muito surpreendente. Mas eu já esperava algo parecido com o final que teve. Li spoilers acidentalmente – o maior spoiler deste livro – e quando cheguei finalmente nesta parte da leitura, foi impossível não chorar e me emocionar. Foi como uma despedida daquele personagens que você gosta e, para mim vai além, foi uma despedida para os livros desta série.
Apesar de não ter me contentado totalmente com o final, achei que foi bom o suficiente para não ter que continuar com outros livros. Sei que a autora pretendia continuar – e acredito que finalmente chegaria num final que eu apreciaria mais. Mas agora, com uma ghost writer contratada pela editora americana devido à conflitos de ideias com a autora - relacionado ao casal que finalizaria a trama – decidi que por mim já chega. Agora é conformar com o final e/ou colocar a imaginação para funcionar.
Foi bom enquanto durou. Gosto da maneira como a L. J. Smith cria e desenvolve seus personagens, mas infelizmente achei que a série se estendeu demais. Tudo tem que ter um fim. Mas claro, esta é minha opinião.   Não pretendo de jeito algum fazê-los desistir da série. Até porque, apesar das várias fantasias nesta série O Retorno, os livros ainda estavam bons. Então, se você tem vontade, vá e leia! :)
Agradeço à editora Galera Record por ter cedido o exemplar para resenha. Parabenizo por ter publicado todos os livros da série com a diagramação maravilhosa e sempre no mesmo estilo, e as traduções que não deixam a desejar. Fizeram um ótimo trabalho com esta série.


Publicado pela Galera Record || 400 páginas || Adicione à sua estante do Skoob || Compre!

Resenha: Bem mais perto - Susane Colasanti

Sinopse: Quando Brooke descobre que o amor de sua vida, Scott Abrams, está se mudando do subúrbio de New Jersey para Nova York, ela decide segui-lo até lá. Viver com o pai ausente e se adaptar a uma escola totalmente nova são desafiantes para ela — e as coisas ficam ainda piores quando ela descobre que Scott já tem uma namorada. Mas como ela aprende a sobreviver na cidade grande, começa a descobrir todo um novo lado de si mesma e percebe que, às vezes, o amor pode te encontrar mesmo quando você não está olhando para ele.
Em Bem mais perto a nossa protagonista, Brooke, decide se mudar de cidade após descobrir que Scott, o garoto que ela ama, vai se mudar para Nova York. Após esta decisão, sua vida muda completamente, mas após alguns acontecimentos, ela questiona se valeu a pena. Até se questiona se o motivo real de sua mudança foi Scott ou mais do que ele.
Bem mais perto é aquele livro leve e teen. E, sinceramente, eu estava mais do que curiosa para conhecer o estilo de escrita da autora. Simplesmente adorei! A narrativa flui normalmente e apesar de às vezes ter uma volta ao tempo, ou mesmo um adiantamento, é fácil se localizar na trama. Outro fator que ajuda e muito o leitor é a sua escrita fácil e prazerosa. Até porque livro bom é aquele em que você sente o prazer de estar lendo, não só pela trama mas também pela narrativa. E a Susane faz isto muito bem!
Mas, não tem como não mencionar os personagens desta trama. No início achei a Brooke muito boba. Sinceramente, quem muda de cidade para ficar perto do menino que gosta? E conforme ela ia criando laços – ou não - com Scott, fiquei querendo matar a garota. Brooke é aquela personagem inteligente, despojada, tudo o que uma garota quer ser e ela joga tudo para o alto por causa de Scott. Aliás, este negócio de abrir mão de um futuro por causa de garotos me irrita e muito! Então, sim, eu queria esganar a Brooke em quase todas as páginas. Mas é uma coisa boa, eu acho. Pois o personagem é tão real e passa tantos sentimentos e emoções que mexe com o leitor. Então, apesar de querer matar a Brooke, eu adorei ela e entendi suas decisões.
Outros personagens são super importantes para a trama como, por exemplo, a Sadie, o John e o próprio Scott. Nem comento sobre o Scott porque vocês não merecem me ver enlouquecida, mas o John e a Sadie são magníficos. O John é aquele personagem que surge do nada e de repente você já está adorando. Acho que parte do motivo de ter gostado tanto do livro, é das surpresas qu a autora ia fazendo no decorrer da leitura. Não é um livro totalmente previsível - e eu fiquei muito surpresa por isto. Aliás, você nunca sabe o que a Brooke vai fazer. Então este é um ponto positivo nesta personagem.
Eu não tinha a mínima ideia de qual seria o desfecho e mesmo sendo uma surpresa, eu gostei muito. É um livro para você refletir sobre as prioridades em sua vida, e sobre a autodescoberta. Brooke não se esforçava em nada e só pensava em Scott mas ela descobre que pode fazer mais por si mesma. Acho isso lindo demais! Então é claro que eu indico este livro para todos aqueles que curtem um bom YA e que gostam de refletir um pouquinho sobre a vida. Agora é certeza que lerei mais livros da Susane Colasanti.


Publicado pela Novo Conceito || 240 páginas || Adicione à sua estante do Skoob || Compre

Fique Ligado #9


A maioria dos livros deste post acho que vocês já conhecerem ou ficaram sabendo, mas não custa nada dar mais uma olhadinha né. Vamos preparar os bolsos porque tem muita coisa boa que ainda está por vir.

Despertar - Amanda Hocking
Na pequena cidade litorânea de Capri, as turistas Penn, Lexi e Thea conseguiram chamar a atenção de todos, seja pelo fascínio ou pela apreensão. Tudo o que se sabe é que por onde passam existe uma energia no ar, algo sobrenatural, e que as garotas estão interessadas em ter a jovem Gemma em seu grupo. Gemma parece ter tudo, é uma nadadora incrível, está começando a namorar seu amigo de infância e se prepara para competir nas olimpíadasno futuro. Aos 16 anos, Gemma sabe que é feliz. Mas quando Penn, Lexi e Thea se interessam por ela, tudo fica prestes a mudar. Sua irmã Harper percebe que há algo de estranho com as garotas, mas será tarde demais para alertar Gemma? A autora fenômeno Amanda Hocking chega ao Brasil com mais uma saga eletrizante, prendendo o leitor do começo ao fim em uma história em que nada é o que parece. A canção do Oceano está chamando.


Cidade dos Anjos Caídos - Cassandra Clare
 
Amor, traição, sangue e vingança – os riscos são maiores do que nunca em City of Fallen Angels. Simon Lewis está tendo alguns problemas para se adaptar a sua nova vida como um vampiro, especialmente agora que ele mal vê sua melhor amiga Clary, que está envolvida em seu treinamento para se tornar uma Caçadora de Sombras – e passando tempo com seu novo namorado Jace. Sem mencionar que Simon não sabe lidar com a pressão de não-namorar-ao-mesmo-tempo com duas garotas. O que um vampiro que adora luz do sol tem de fazer? Simon decide que precisa dar um tempo a sua cabeça fora da cidade – apenas pra descobrir que eventos sinistros estão seguindo-o. Percebendo que a guerra que eles pensaram ter ganho poderia ainda não ter acabado, Simon chama seus amigos Caçadores de Sombras para salvar o dia – se eles puderem colocar seu próprios relacionamentos de lado para cumprir o desafio.
*Como o João Victor me lembrou, a capa de Cidade dos Anjos Caídos não é a oficial ainda, mas creio que será a mesma com o adicional do logo da editora Galera Record. O lançamento está previsto para setembro deste ano. 

Maçãs envenenadas - Lily Archer
O que Alice Bingley-Beckerman, Reena Paruchuri e Molly Miller têm em comum é que todas são enteadas de madrastas horríveis, perversas e cruéis.E nenhuma delas vive feliz com essa situação. Embora pareça improvavel que sejam amigas, esse problema em comum poderá provar o contrário. Para impedir que os pais continuem enganados com as escolhas amorosas, as meninas se transformarão nas "MAÇAS ENVENENADAS'.






Fiquei com o seu número - Sophie Kinsella
A jovem Poppy Wyatt está prestes a se casar com o homem perfeito e não podia estar mais feliz... Até que, numa bela tarde, ela não só perde o anel de noivado (que está na família do noivo há três gerações) como também seu celular. Mas ela acaba encontrando um telefone abandonado no hotel em que está hospedada. Perfeito! Agora os funcionários podem ligar para ela quando encontrarem seu anel. Quem não gosta nada da história é o dono do celular, o executivo Sam Roxton, que não suporta a ideia de haver alguém bisbilhotando suas mensagens e sua vida pessoal. Mas, depois de alguns torpedos, Poppy e Sam acabam ficando cada vez mais próximos e ela percebe que a maior surpresa da sua vida ainda está por vir.



Super lançamentos da Intrínseca:


E então, o que vocês acharam das novidades? Quais livros vocês estão mais ansiosos para ler? Eu acho que quero todos.. parecem ser tão legais!

Resenha: Branca de Neve e o Caçador - Lily Blake

Sinopse: Uma nova visão de tirar o fôlego de um conto lendário. Branca de Neve é a única pessoa na terra mais justa do que a Rainha má que pretende destruí-la. Mas o que a perversa Rainha nunca imaginou é que a jovem que ameaça seu reinado vem treinando na arte da guerra com um caçador que foi enviado para matá-la.
Com a onda de livros que baseiam filme agora surgiram alguns livros inusitados que foram baseados em filmes. E Branca de Neve e o Caçador é um desses livros. Como leitora, posso afirmar que tem um lado bom nisso como também tem um lado negativo e é justamente isto que estarei comentando nesta resenha. Mas antes de comentar o que eu achei, vou fazer uma breve sinopse.
Branca de Neve está há dez anos trancada na torre de um castelo que antes era de seu pai. Com um descuido de Finn – irmão da rainha -, ela foge de sua prisão e da rainha Ravenna. Porém Ravenna está muito interessada na imortalidade que ela pode conseguir e, para isto, precisa de Branca de Neve. É eis que surge o Caçador na trama, um sujeito chamado Eric que deve entrar na Floresta Sombria e trazer Branca de Neve de volta para Ravenna. O que a Rainha não contava é que a pura garota mexeria com o coração do Caçador e que este a prepararia para tomar o trono.
Quando um livro é criado, requer uma grande criatividade e visualização do autor. Ao decorrer da escrita vão surgindo os detalhes e as descrições e tudo que faz o livro ficar do jeito que é quando finalizado. Por outro lado, em livros que são baseados em filme, tenho a sensação de que foi escrito enquanto o filme passava. É um livro descritivo e eu acho que isso enriquece a trama mas em Branca de Neve e o Caçador eu senti que a autora focou nas descrições – que foram bem básicas - e deixou de lado as sensações que tem que passar para o leitor.
“Como assim?” vocês devem estar me perguntando. É o seguinte: acho incrível a sensação de suspense durante uma leitura quando acaba um capítulo com uma revelação bombástica, ou então com as sensações que o próprio personagem passa para o leitor. E eu não tive nenhuma sensação neste livro. Foi uma leitura rápida, sim, mas não foi tudo aquilo que eu imaginava. Pode ser que minha leve decepção seja devido ao fato de eu ter assistido ao filme antes – e ter odiado o final – ou então porque o livro não tem mesmo aquele toque especial que faz o leitor suspirar a cada página..
Outro fator que me deixou triste foi que não tem muitos diálogos. Em livros com descrições, a falta de diálogo faz com que a leitura fique um pouco maçante. Aliás, isto dura o livro todo! A autora só vai contando a estória sem se aprofundar em detalhes então parece ser algo muito superficial. Diferentemente de outros livros, neste não consegui me identificar por nenhum personagem e muito menos tomar um lado no inexistente triângulo amoroso. Sim, é inexistente pois quando li a sinopse e soube do filme achei que teria um triângulo maravilhoso e tal mas não existe! A Branca de Neve às vezes teima com o Caçador e este tem um papel importante no final mas não passa disso. E quanto a William, você não sabe nada sobre ele – nada que te faça suspirar ou se apaixonar pelo personagem . O final foi o mais terrível possível. Um final sem informações, que me deixou pensando “só isto?”. Sinceramente, fiquei muito revoltada.
Minhas expectativas eram imensas e nem o livro nem o filme me satisfizeram. Sinto que tinha um potencial tão grande, uma ideia tão legal mas muito mal aproveitada.. Enfim, eis o meu problema com adaptações: tendo a ser quase sempre decepcionada. Porém, para você que está entusiasmado com a leitura, recomendo que leia antes do filme. Embora o livro não tenha uma narrativa tão legal e os personagens não sejam lá tão agradáveis, acho que continua sendo uma boa ideia ler antes de assistir. E, apesar de não ter gostado tanto do livro, não posso negar que a Editora Novo Conceito fez um ótimo trabalho. Graficamente, o livro é lindo demais.


Resenha: Sirensong - Jenna Black

Sinopse: Sirensong é o terceiro livro da série Faeriewalker. Neste volume, Dana é convidada a ir a Faerie para ser oficialmente apresentada à Corte Seelie. Porém, Titânia, a rainha, a quer morta. O convite não pode ser recusado e Dana, seu pai e seus amigos rumam a uma viagem cercada de perigos, ataques, ameaça e medo. Será que ela conseguirá vencer esses desafios? Uma saga surpreendente, recheada de aventuras e romance.
Depois do final bombástico de Shadowspell eu estava mega curiosa para saber o que aconteceria com Dana e companhia. Mas, infelizmente, o desenrolar da trama não foi exatamente o que eu esperava. Isso pode parecer bom, por não ser um livro previsível, mas para mim foi um pouco exaustivo. Como se a autora tivesse feito todo aquele mistérios sobre o Erlking apenas para não usá-lo de modo útil em Sirensong.
Para situar os leitores desta série, em Sirensong Dana recebe um convite para se apresentar à Corte Seelie. Não vendo como pode fugir deste convite que está mais para intimação, Dana, seu pai e seus amigos partem para Faerie. Em um momento da viagem, Dana é salva por Erlking, mas com as demonstrações cada vez mais impressionantes dos poderes de Dana, ela se pergunta se pode ou não contar com o Erlking. Além disso, na Corte Seelie, alguém está tramando para que Dana seja morta.
Bem, basicamente, esta é a trama do terceiro e último livro da série. Demora séculos para chegar na Corte e depois de algumas páginas Dana já está tentando sair de Faerie. Achei isso meio exaustivo porque a primeira parte do livro foi super bem desenvolvida mas sei lá, ficou faltando algo no final. Com os acontecimentos desta viagem, acredito que a autora poderia tê-los utilizados de uma outra forma que não a do atual enredo. De qualquer forma, não é de todo ruim.
Como é característico desta série, ainda tem várias cenas engraçadas e neste livro predominam-se as cenas entre o Ethan e o Keane. Quando eles estão juntos tem todo aquele clima de tensão e testosterona no ar e é impossível não se deliciar com isso. Até porque é impossível tomar um team, embora eu ache que tenha uma queda bem maior pelo Keane. Outra coisa legal do livro foi o desenvolver do relacionamento amoroso de Kim com Keane. Gostei muito deste casal então acho que no quesito romance, foi a melhor coisa que aconteceu no livro.
Apesar de ter vários personagens envolvidos nesta viagem para a Corte, não há muitas descobertas. Apenas o de sempre: Dana omitindo informações e Ethan ainda com sua misteriosa ligação ao Erlking. Um personagem que eu jurava que parecia ser extraordinário e que prometia fazer esta série ainda melhor era o Erlking, que com certeza foi a minha maior decepção em Sirensong. Não tem como descrever o sentimento de esperar por mais mistérios do semi-vilão e no fim ele acabar por não ser tão fodão como imaginava. Sério, doeu na alma!  Quem leu minha resenha de Shadowspell viu como eu tinha delirado com esse personagem...
Mas deixando de lado o meu drama todo, posso assegurar-lhes que Sirensong não tem tantos mistérios e revelações como os anteriores. Pelo menos nada que seja tão bombástico. Acho que a falta da mistura entre ação, drama e mistério fez de Sirensong um livro mais fraquinho. Como ressaltei anteriormente, a trama estava aberta mas a autora decidiu fechar com algo mais simples e que particularmente não me agradou muito. Mas gosto é gosto então, para aqueles que têm vontade de ler a série, encorajo-os pois pode ser que vocês fiquem encantados com a série.


Resenha: Conselho de amiga - Siobhan Vivian

Sinopse: Ruby está completando 16 anos... mas o dia especial não é tão doce quanto foi planejado. Seu pai desaparecido há muito tempo aparece e Ruby não quer ter nenhuma relação com ele. Ao contrário, ela quer sair com seus amigos — a leal Beth, a perigosa Katherine e a fofoqueira Maria. Elas dão muitos conselhos a Ruby — sobre garotos, seu pai e como ela deve se vestir e como deveria estar se sentindo. Mas, na verdade, ela não sabe o que pensar ou sentir. Especialmente quando um novo garoto entra em cena... e Ruby descobre que algumas de suas amigas não são tão verdadeiras quanto dizem.
Desde que li Não sou este tipo de Garota, fiquei louca para ler outros livros desta autora. E, quando li a sinopse de Coselho de amiga, achei que era exatamente o livro que eu estava necessitando neste momento. Infelizmente, foi mais um na minha lista de decepções. Não que seja ruim, é que assim como os livros que li anteriormente – Desperta ao amanhecer e Sirensong – eu tinha grandes expectativas e acabou não sendo tudo aquilo que eu imaginava.
Em Conselho de amiga, Ruby está completando dezesseis anos mas a noite que era para ser perfeita acaba por ser um desastre. Jim, o pai de Ruby, aparece em sua casa depois de anos sem dar notícias para a filha. Ruby tinha certeza de que já tinha superado o divórcio dos seus pais e a saída de Jim de casa, mas ela acaba por perceber que não superou totalmente. Enquanto isso, Beth, sua melhor amiga, tenta convence-la a não se importar com isso. Mas a curiosidade de Ruby não a deixa superar, e assim, ela acaba por descobrir segredos de sua mãe, pai e da própria Beth.
O que eu com certeza posso afirmar é que o livro não tem um enredo óbvio. A autora, assim como em Não sou este tipo de garota, sabe fazer um bom drama e enrolar o leitor por um tempo conveniente. Gostei de como a trama se desenrolou mas acho que devido às expectativas, acabei esperando ser um livro um pouco mais profundo. Outra coisa que me incomodou bastante foram as atitudes da protagonista. Ela tem dezesseis anos mas age como uma criança e isso deixou o livro muito infantil.
Realmente, eu gosto muito da narrativa da Siobhan e de suas ideias mas acho que li esse livro em um momento errado. Espero que eu consiga achar logo um livro que me surpreenda totalmente para parar de ser um pouco chatinha com os outros. Até porque fiquei tanto tempo só nos estudos e quando volto a ler, nenhum me satisfaz totalmente :(
Enfim, deixando para trás o meu lado patético de carência de livros, quero deixar claro que o livro não é ruim. É um enredo simples porém trata-se de acontecimentos do dia-a-dia. Gosto de sobrenatural mas também gosto de livros normais, que abordam a realidade em que vivemos. E Conselho de amiga é um livro assim, só é uma pena que não tenha me agradado tanto. Mesmo assim, mal posso esperar para ler outro livro da Siobhan Vivian. A narrativa dela é uma delícia e eu já estou virando fã.


Resenha: Desperta ao Amanhecer - C. C. Hunter

Sinopse: Este é o segundo livro da série Acampamento Shadow Falls. Kylie anseia por descobrir sua própria identidade sobrenatural e o que seus poderes significam. Agora ela vai precisar deles mais do que nunca, porque está sendo assombrada por outro espírito, que insiste em dizer que alguém que ela ama morrerá antes do final do verão. Se ao menos Kylie soubesse quem ela precisa salvar e como... Mas a maior causa de seus problemas são os dilemas do coração. Kylie sabe que precisa decidir entre Lucas, o lobisomem que conheceu quando ainda era garotinha, e Derek, um fae muito atraente, para não correr os risco de perder os dois. Mas o romance vai ter que esperar, porque alguém do lado sombrio do mundo natural se esconde em Shadow Falls. 
Nem preciso dizer o quanto estava ansiosa para ler este livro. Aliás, quando você se apaixona por um livro e ele faz parte de uma série, é impossível não ficar ansioso pelos próximos volumes. Só que no caso desta série – Acampamento Shadow Falls – acho que acabei criando expectativas demais e que acabaram prejudicando e até interferindo no meu gosto pela série.
Kylie está ainda em meio a sua crise de identidade, mas não é esta a sua única preocupação. Um fantasma de uma mulher começa a atormentá-la dizendo que precisa salvar alguém, mas Kylie não tem ideia do que fazer e muito menos de quem deve salvar. Além disso, Kylie começa a desenvolver comportamentos estranhos como um surto de crescimento – característicos de lobisomens -, gosto por sangue – característico de vampiros -, sonhos lúcidos, entre muitas outras coisas. Kylie está prestes a enlouquecer com todas as descobertas e ainda mais com o seu relacionamento complicado com Derek.
Como podem ver, é um livro que abrange de tudo. Muitos mistérios a serem resolvidos, outros que provavelmente se resolverão no terceiro livro; também tem muitas auto-descobertas. Aliás, se eu pudesse descrever esse livro em uma expressão seria “a auto descoberta de Kylie”. Obviamente, ainda não foi revelado o ser sobrenatural que a protagonista é – mas eu já sei porque li spoilers – mas não é difícil de fazer algumas suposições. A autora também não fez grandes revelações mas desenvolveu os comportamentos de Kylie para que em Taken at dusk ela possa mostrar realmente o que Kylie é.
3º Livro da série
O problema comigo foi bem isso. Não é algo extraordinário, e conforme ela vai apresentando um comportamento você meio que já sabe o que vai acontecer em seguida. Outra coisa que me desapontou e muito neste livro foram os relacionamentos amorosos de Kylie. A autora inicia o livro super bem, mostrando os problemas de Kylie e Derek como casal mas quando Lucas aparece, é como se Derek e Kylie nunca tivesse sido grande coisa e a autora dá um “jeitinho” de rearranjar os casais. Nem preciso falar que isso é muito chato para essa coisa toda de team’s né? No momento em que você começa a se acostumar com um e a gostar dele, o personagem age feito idiota e/ou a Kylie dá o fora nele.. É extremamente confuso e acho que a única pessoa prejudicada nessa situação é o leitor. É sofrimento demais!! Ver seu personagem, seu garoto preferido ser chutado e depois agir feito cachorrinho atrás da Kylie.. Não curto isso nadinha e foi o que mais me desapontou no livro. Acho que todos os personagens tem um potencial e não deveriam ser "descartáveis".
Por outro lado,  alguns personagens me surpreenderam. Não sei se é por ser clima sobrenatural, ou porque fiquei traumatizada com HON, mas desde o primeiro livro eu pensava "Nossa, só quero ver o deslize da Holiday. Ela é outra Neferet da vida, aposto" e eu meio que fiquei esperando isso acontecer. Mas diferentemente da louca/doente/falsa-profetiza Neferet, ela é realmente muito boa na direção do acampamento. E não tem nenhum plano maligno então agora estou mais aliviada, eu acho. Neste livro foi possível sentir o desenvolvimento do laço afetivo entre Holiday e Kylie e isso me agradou bastante. Aliás, Holiday estava perfeita no livro. Ela é aquela pessoa que você quer ter como irmã mais velha para poder desabafar, receber conselhos ou mesmo simplesmente conversar. E quanto aos sentimentos da Holiday, achei fofo demais. Para mim, a relação da Holiday com o vampiro Burnett foi muito melhor do que as confusões amorosas da protagonista. E o Perry.. aquele metamorfo é a coisa mais fofa do mundo. Bem que poderia ter mais cenas dele..
Mas enfim, o livro não é ruim. Talvez por eu ter criado expectativas demais, ele tenha sido um pouco decepcionante. E agora que li spoilers do terceiro, tenho que admitir que não estou tão entusiasmada em ler. Sinto que vai ser meio previsível mas, sei lá, posso acabar sendo surpreendida né? Não desencorajo ninguém de ler Desperta ao amanhecer, só aviso para não esperarem grandes novidades.